quinta-feira, 30 de outubro de 2008

Destino e liberdade

Olá, em especial para os primeiros anos! 15, 17, 18!
.
No último encontro discutimos um pouco sobre o destino. Mas por que fizemos isso? Por causa do capítulo do livro Mundo de Sofia que trata desse assunto. Como vocês já notaram em todo novo tópico apresentado Sofia recebe um envelope branco com algumas perguntas para que ela reflita um pouco sozinha sobre os assuntos antes de ler os textos mesmos do curso que o(a) filósofo(a) envia à ela no outro envelope, o amarelo (não serão aqueles alaranjados?). Tentamos fazer em sala de aula uma pequena discussão para ver o que vocês pensam do destino. E as respostas foram bem interessantes. Alguns disseram:
.
Sim, eu acredito, pois nenhuma folha cai ao chão sem que Deus saiba, nenhum fio de cabelo cai de nossa cabeça sem o conhecimento de Deus e assim segue.
.
Bom, mas aí surgia a dúvida: Somos livres? Se Deus sabe de tudo parece que não tem sentido falar em liberdade. Alguns disseram que temos o livre arbítrio, podemos escolher o bem ou o mal. Eu entendo esse argumento, mas aqui ele não se encaixa. Por quê? Porque a passagem que estamos usando é muito forte, ela diz que Deus tem o conhecimento de tudo que ocorre e que ocorrerá e que já ocorreu. Portanto nada que a gente faça será realmente livre.
.
Alguns defenderam dizendo o seguinte: Deus sabe de tudo, mas o homem não sabe e por isso ele é livre. Esse é um argumento interessante, mas o que será que ele significa? Que a nossa liberdade, na realidade, é apenas uma ilusão para o homem, pois tudo que fazemos ou deixamos de fazer Deus já sabia que ia ser assim. Não é exatamente isso que estamos dizendo? Parece-me que sim. Por isso esse argumento não parece ser bom, pois o que no fundo estamos dizer é: não somos livres, apenas não sabemos disso.
.
Outros colegas disseram: tem coisas que nós não temos como saber. Não temos como saber como é possível que sejamos livres, mas que ao mesmo tempo tudo já esteja pré-determinado, tudo já seja do conhecimento de Deus. Será que é um problema não termos como saber sobre isso? Sim. Por quê? Porque se não soubermos como iremos descobrir se agimos livremente ou não? E não é importantíssimo agir livremente? Uma pessoa que é obrigada a fazer uma coisa não é livre. E aquilo que ela faz de maneira obrigada não tem valor. É o agir livre que dá valor às coisas. Quem não age de maneira livre não pode ser preso. Por quê? Porque a responsabilidade pelo que fazemos ou deixamos de fazer está ligada diretamente à nossa liberdade. Ou não?
.
Quando os colegas diziam que nós temos livre-arbítrio e podemos escolher entre o bem e o mal, eu penso que esse argumento é usando contra aquelas pessoas que costumam dizer: "Como que eu posso ser livre se eu só posso escolher a Deus? Se eu escolher outra coisa estarei perdido, então isso não pode ser livre-arbítrio de verdade". É aí que vocês sempre respondem: "Ora, mas você pode escolher entre o caminho de Deus ou o caminho do outro lá, o bicho feio, o guampudo". Eu acho que aqui nessa discussão sobre liberdade e destino esses argumentos não se encaixam. Mas só para colocar um problema para os meus/ as minhas perspicazes alunas e alunos, eu diria o seguinte: Será que só há mesmo dois caminhos? O de Deus ou o do outro? E todas as outras religiões e os ateus, todos esses, então são adoradores do capeta e irão para o inferno? Será que não há muito mais possibilidades de ser feliz e viver bem com as outras pessoas? Parece que sim, não é mesmo? Que acham? Talvez isso seja se alongar demais. Fica prum próximo tema!
.
Não esqueçam: leiam com muita atenção as páginas 61 - 70 do Mundo de Sofia!
Um outro exemplo de Destino é a cartomante. Que diz ler o futuro das pessoas através de algumas cartas. Gostaria que dessem uma lida no conto de Machado de Assis, A Cartomante. É muito legal, vocês vão gostar! Aí vai o link:
.
Querem saber como os gregos viam o Destino? Eles falavam das Moiras! Quero saber se vocês descobrem quem eram as Moiras, quantas eram e o que faziam (para ler o texto na página tem que descer um pouco que o texto está mais abaixo de todos aqueles deuses):
.
E a tragédia inevitável (não-evitável) de Édipo?! Mesmo seu pai, Laio, querendo matá-lo para se livrar da previsão feita pelo Oráculo (Templo Sagrado destinado a uma divindade grega) - o Oráculo revelou à Laio que seu filho Édipo o mataria e então Laio ao nascer seu filho pede para um servo matar a criança, porém o servo não cumpre a ordem, apenas finge que cumpre... o resto clique abaixo! A cidade de Tebas está sofrendo com terríveis calamidades por causa de um crime. Édipo, o rei da cidade, e os habitantes desejam saber o que fizeram para tantos males ocorrerem com eles. Lá pelas tantas eles descobrem!
.
Édipo Rei, escrito por Sófocles
.
Ótimas leituras!
.
Clique no link para saber tudo sobre o Oráculo de Delfos e clique na imagem para ampliá-la:

21 comentários:

Mariany Nard disse...

Acho que essa aula sobre o Destino foi super interessante! E é algo assim: Deus sabe de absolutamente tudo que vai acontecer conosco, tudo o que ja aconteceu e o que ainda está acontecendo, mais mesmo assim, ele nos dá uma certa liberdade, de tentarmos fazer algo, de escolhermos o caminho a seguir, mesmo ele ja sabendo o que vamos fazer! Então a liberdade que ele nos dá, é uma liberdade "moderada" tal que temos oportunidades na vida, como caminhos, Deus nos dá uma liberdade para tentarmos agir conforme aquilo que ele diz na biblia, mais como dizem, muitas vezes a nossa "carne" acaba nos fazendo andar por caminhos errados, ELE nos dá essa liberdade, por que somos nós que escolhemos, mais ele ja sabe a qual será a nossa escolha!

é eu sei que o professor vai manter aquilo! MAS COMO É QUE SOMOS LIVRES SE DEUS SABE DO NOSSO DESTINO!

RESUMINDO: a liberdade que Deus nos da é apenas para tentarmos fazer algo por nós, não uma liberdade de sermos completamente LIVRES! e sim mais moderada!

Eu sempre fui muito timida quanto, falar assim na sala como na ultima, aula mais foi algo que eu senti realmente voltade de falar, por mais que eu não tivesse a devida sabedoria, disse o que eu pensava! Mas na quarta feira de noite, tinha um culto de Jovens da minha igreja, onde perguntei para o nosso responsável, para que ele me respondesse de forma mais concreta, e sábia! e o que ele me disse foi aquilo que escrevi mais acima!

Mariany Nardi, turma 15 (CECILIA!)

Daniel Lost disse...

Mariany,

Muito jóia o teu comentário! Fiquei bem contente que pra ti essa aula tenha sido legal, interessante. Legal que tenha te feito falar quando não costumas falar e muito bacana também teres levado para discutir com o pessoal da tua igreja!

Eu entendo o argumento do responsável pelo grupo de vocês, mas a minha dúvida continua como tu bem notaste! Mas não faço isso porque sou chatinho, mas porque parece que mesmo assim as duas idéias não combinam. Tu mesma acho que sentiste isso, ou não?

Veja só: Deus sabe de tudo, mas ainda assim eu tenho uma parcela de liberdade. Eu acho que o teu responsável quis dizer foi o seguinte: Deus sabe de tudo, mas não vai interferir no modo como tu vives a tua vida (a menos que tu queiras, ou permitas). Mas nesse caso parece que Deus já sabe tudo que vai acontecer e fica somente assistindo nós seres humanos vivermos uma vida de mentira, pois vamos lá e pedimos ajuda a Deus para sermos melhores, dizemos que vamos mudar e tentar ser diferentes, mas Ele já sabe que não vai ser assim ou se vai mesmo ser assim.

Uma outra questão que surge em meio a tudo isso é: será que nem o próprio Deus pode mudar isso que Ele já sabe que vai acontecer conosco? Afinal de contas, como que Ele sabe tudo que vai nos acontecer? Ele planejou tudo que ia nos acontecer e agora não pode mais interferir nisso que ele planejou, ou Ele próprio não sabe tudo que vamos fazer, agir e aí Ele vai agindo, nos ajudando, nos dando forças para permanecermos no caminho Dele?

Bom, vou deixar essas questões para pensares se quiseres, mas já estou bem contente porque conseguisse levar a sério a filosofia e isso acho muito, muito importante. Parabéns!

Mariany Nardi disse...

Como eu creio absolutamente em Deus, acredito no que diz a palavra dele, que devemos orar, agradecer pelo que ele tem feito por nós! Por isso acho que ás vezes é melhor nem pensar demais!
Mas como o prof° citar essas questões eu intendo, até por que a filosofia é a arte de pensar!
Mais eu particularmente se pensar demais eu acho que vou ficar maluca! Pois absolutamente tudo é de uma certa forma sobre natural, nossas vidas, nosso corpo, a natureza! tudo! Mais eu creio que acima de todas essas coisas sobre naturais existe um Deus sobre natural! Aquele que por sinal criou tudo!

prof. disse...

Mas você não precisa deixar de acreditar em Deus, orar a Ele, e admirar tudo que é bom que Ele te dá. Você quando enfrenta esses problemas, na verdade, estás querendo entender melhor as coisas, amadurecer na fé, aprofundar teu conhecimento sobre a fé. Deixar de ser uma pessoa ingênua nesses assuntos.

Convidei para comentarem aqui neste tópico dois colegas muito inteligentes e que lêem bastante sobre esses assuntos e outros. Espero que eles tenham tempo para comentar algo. Os dois são evangélicos como você e talvez a resposta deles pode te ajudar e entender melhor como pensar liberdade e destino.

Não desista tão cedo de pensar um pouco mais. Estás indo muito bem. As pessoas dizem que quem tenta pensar nessas coisas fica maluco. Todo mundo diz isso. Eu acho o contrário. Quanto menos se pensa, mais fanatismo, irracionalidade, mais loucura. Já tentasse pensar as coisas dessa outra maneira?

Mary disse...

A claro tomara que eles tenham tempo mesmo! Eu acho que penso até de mais, eu sempre estou pensado, e aliás penso sobre tudo, como será meu futuro, o dia de amanhã! Em tudo!

Mariany Nardi, turma 15 (CECILIA!)

Ana Paula disse...

Gostei bastante do assunto, Maais tenho minhas duvidas, Porque acredito em deus, Acho que ele saiba de tudo que irá acontecer, Maais isso não quer dizer que não podemos escolher sobre o BEM e o MAL... Porque Deus não os diz o que devemos fazer, podemos escolher sim... E por isso que digo que ele sabe de tudo, mais não nos controla.. podemos fazer nossas escolhas e acreditar no que é bom ou ruim para nós.. Isso é uma escolha nossa, o que deus sabe é que cada um dos "LADOS" que escolhermos nosso destino será totalmente diferente!
A o professor quais paginas temos que ler, para a prova??
Ana Paula Turma 17 (Lisboa)

Wagner disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Wagner disse...

Daniel, em primeiro lugar, obrigado pelo convite para participar da discussão. É com prazer que participo dela.

O ponto de vista apresentado aqui, denomina-se fatalismo teológico. Esta é a idéia de que nossas ações não são livres, visto que são pre-determinadas pela presciência de Deus.

Creio que o argumento fatalista teológico pode ser formulado da seguinte maneira:

1) Se Deus tem presciência de X, então X irá ocorrer.
2) Deus tem presciência de X.
3) Portanto, X irá ocorrer fatalisticamente.

Este argumento é falacioso porque (3) não é uma conclusão que segue logicamente de (1) e (2). O que se pode concluir das premissas citadas é apenas que X irá ocorrer.

Destarte, o fato de Deus ter presciência de X, não implica logicamente em Deus causar X. Se, por exemplo, João escolhe A, a presciência divina significa apenas que Deus conhece a decisão de João antes mesmo de ele a ter feito. A decisão não foi causada pela onisciência de Deus, mas sim pelo livre-arbítrio humano. Se João mudasse de idéia e resolvesse escolher B, Deus teria conhecimento prévio de sua escolha. Ver o futuro não altera o livre-arbítrio.

Para que o argumento fatalista teológico tenha sucesso, é preciso que se demonstre que o conhecimento divino tenha nexo de causalidade necessário com as ações humanas. Mas, certamente, isto nunca foi demonstrado. Assim sendo, o fatalismo teológico não se justifica.

No meu blog, há textos de autoria de filósofos cristãos que lidam com questões semelhantes. Lá existe inclusive um texto que foi traduzido pelo professor Daniel. Quem desejar saber mais, está convidado a visitá-lo: http://www.apologia.com.br

Abraço!

Gabriela Gonçalves. disse...

Professor, o blog ta ''MARA'' hahaha (:
Abraço.

prof. disse...

Muito legal o Wagner ter podido vir aqui e escrever algo para a gente, obrigado!

Mas será que vocês entenderam o ponto dele? Eu fiquei com algumas dúvidas.

Ele está dizendo que não é porque Deus já sabe o que vai acontecer no futuro que o homem agirá de uma determinada maneira, mas é porque o homem tem livre arbítrio que ele age de uma maneira e não de outra.

Será que nesse caso aquela crítica que fiz no post não serve? Aquela que diz: então nossa liberdade é apenas uma ilusão, pois Deus já sabe tudo que vamos fazer. E também parece que todas nossas preces ou pedidos para sermos melhores são inúteis, pois Deus já sabe quem vai conseguir mudar sua maneira de agir e quem não vai. Como responder a isso? Será que o homem é livre apenas porque ele não conhece seu próprio futuro? Deus conhecer esse futuro não traz nenhuma conseqüência indesejada (que não se deseja) para a liberdade humana?

Uma coisa que não entendi no teu comentário, Wagner, foi o seguinte: Deus sabe de tudo antes que eu tome as minhas decisões, ou Deus sabe todos os desdobramentos se eu decidir por uma determinação ação e não outra?

Um abraço!,

PS.: não sei se o Wagner vai ter tempo para ficar discutindo o tema, mas já vimos que muita gente anda pensando e discutindo sobre isso.

Wagner disse...

Prof. Daniel escreveu: "Será que nesse caso aquela crítica que fiz no post não serve? Aquela que diz: então nossa liberdade é apenas uma ilusão, pois Deus já sabe tudo que vamos fazer."

O fato de Deus conhecer o futuro não anula o livre-arbítrio humano.

O livre arbítrio do ser humano seria anulado apenas se Deus fosse o causador das ações humanas.

Prof. Daniel escreveu: "Deus conhecer esse futuro não traz nenhuma conseqüência indesejada (que não se deseja) para a liberdade humana?"

Para que o fatalismo teológico seja verdadeiro é justamente necessário que se demonstre que haja um nexo de causalidade entre o conhecimento do futuro e as ações humanas.

Nexo de causalidade é uma expressão extraída do Direito e significa a relação factual entre o agente e o resultado.

No caso, não existe nenhum argumento que se demonstre que haja uma relação factual entre o agente (a presciência divina) e o resultado (a ação humana).

Por que o mero fato de Deus conhecer o futuro causaria uma ação humana?

Prof. Daniel escreveu: "Será que o homem é livre apenas porque ele não conhece seu próprio futuro?"

O homem é livre por possuir a possibilidade de fazer escolhas.

Por exemplo, suponha que João escolha A, em vez de B. O fato de Deus ter presciência da decisão de João não é a causa da escolha de João. Este decidiu A devido ao seu livre-arbítrio.

João poderia muito bem escolher B em vez de A. E isto demonstra que ele possui livre-arbítrio. Se João resolvesse mudar de idéia e escolhesse B, Deus teria presciência deste fato.

Prof. Daniel escreveu: "E também parece que todas nossas preces ou pedidos para sermos melhores são inúteis, pois Deus já sabe quem vai conseguir mudar sua maneira de agir e quem não vai."

Desculpe, mas não entendi a objeção.

Deus sabe quem vai conseguir mudar sua maneira de agir e quem não vai. Mas porque isto tornaria a oração inútil?

Prof. Daniel escreveu: "Uma coisa que não entendi no teu comentário, Wagner, foi o seguinte: Deus sabe de tudo antes que eu tome as minhas decisões, ou Deus sabe todos os desdobramentos se eu decidir por uma determinação ação e não outra?"

Deus possui o conhecimento de todo o futuro.

Como eu sou molinista (influência dos filósofos William Lane Craig e Alvin Platinga), também creio que que Deus conhece todos os desdobramentos se eu decidir por uma determinada ação e não por outra.

Abraço!
Wagner

Ps.: De fato eu tenho pouco tempo para participar de debates. Se eu demorar para dar alguma resposta, provavelmente será por este motivo.

prof. disse...

Wagner disse: O livre arbítrio do ser humano seria anulado apenas se Deus fosse o causador das ações humanas.

Mas Ele não é? Afinal de contas o homem sempre age de acordo com aquilo que foi pensado por Deus.

Como vamos saber se agimos de um jeito e não de outro porque Deus assim quis, ou porque fomos nós que escolhemos? Se quando escolhemos sempre escolhemos de acordo com o que está pré-determinado?

Wagner disse: Por que o mero fato de Deus conhecer o futuro causaria uma ação humana?

Porque esse conhecimento está automaticamente ligado às ações humanas acontecerem de um jeito e não de outro. Ou não? Se não, por que não?

Wagner disse: Deus sabe quem vai conseguir mudar sua maneira de agir e quem não vai. Mas porque isto tornaria a oração inútil?

Porque a oração só faria sentido se fosse possível a todos mudar, se existisse de fato a liberdade. Para Deus seria inútil, ao que parece, ouvir a oração de um fiel que Ele sabe que não mudará. Qual seria o objetivo?

Um abraço! E obrigado por participar novamente! Responda quando puderes.

Wagner disse...

Prof. escreveu: "Mas Ele não é? Afinal de contas o homem sempre age de acordo com aquilo que foi pensado por Deus."

Deus pode conhecer previamente as ações humanas, mas isto não significa que ele causou estas ações.

Presciência e causalidade são conceitos distintos.

Prof. escreveu: "Como vamos saber se agimos de um jeito e não de outro porque Deus assim quis, ou porque fomos nós que escolhemos? Se quando escolhemos sempre escolhemos de acordo com o que está pré-determinado?"

Creio que não é possível descobrir as respostas para estes questionamentos com base apenas em discussões filosóficas.

A única maneira para descobrirmos se Deus controla as ações humanas é através da revelação divina (supondo que Deus sempre revele a verdade).

No caso do Cristianismo, a revelação especial de Deus se dá através da Bíblia. Mas a questão do livre-arbítrio é algo que os teólogos discutem há séculos sem entrarem em acordo. É o velho debate do arminianismo versus calvinismo.


Prof. escreveu: "Porque esse conhecimento está automaticamente ligado às ações humanas acontecerem de um jeito e não de outro. Ou não? Se não, por que não?"

Se Deus tem presciência de um evento X, este evento X deve ocorrer. Mas isto não significa que Deus causou o evento X.

Vou tentar explicar melhor:

1) Deus conhece todas as coisas.
2) Qualquer coisa que Deus pré-conheça, deve acontecer. Se ela não acontecesse, Deus teria estado em erro naquilo que pré-conheceu. Mas um ser onisciente não pode estar errado naquilo que pré-conhece.
3) Deus sabe que João irá comer uma maçã.
4) Portanto, o evento previsto por Deus (João comendo uma maçã) deverá acontecer. Se este evento não acontecer, Deus estaria errado.

A lógica é sem defeito. Se Deus tem um conhecimento infalível do futuro, o futuro tal como conhecido por Deus deve acontecer.

Mas não é possível inferir a seguinte conclusão a partir das premissas acima:

5a) João não tem livre-arbítrio para deixar de comer a maçã.

Não existe nenhuma regra de lógica que torne possível inferir a conclusão (5a) das premissas de (1) a (4).

Isto porque não há contradição em afirmar que Deus sabia com certeza que João iria comer a maçã de livre escolha.

João tem livre-arbítrio. Por quê? Porque se ele resolvesse mudar de idéia e decidisse comer um nabo, ele teria essa possibilidade. Neste caso, Deus iria pré-conhecer este evento previamente.

Não é a presciência de Deus que causa o evento "João comendo uma maçã". O que causa o ato de João comer a maçã é o seu próprio livre-arbítrio.


Prof. escreveu: "Porque a oração só faria sentido se fosse possível a todos mudar, se existisse de fato a liberdade. Para Deus seria inútil, ao que parece, ouvir a oração de um fiel que Ele sabe que não mudará. Qual seria o objetivo?"

Mas a pessoa não mudará apenas se possuir livre-arbítrio! Ela só poderá resistir à mudança se tiver a liberdade para poder resistir.

Se as pessoas são apenas marionetes nas mãos de Deus, então Deus pode fazer o que quiser com as pessoas.

Bom, este assunto é deveras bem complexo. Espero que eu tenha conseguido me explicar melhor desta vez!

abraço
wagner

Vitor Grando disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Vitor Grando disse...

Olá, Daniel!

Obrigado pelo convite para participar desta discussão. Pelo pouco que te conheço, me parece que você é um excelente professor e sabe como levar os alunos à reflexão filosófica. Isso é fantástico!

Infelizmente, estive sem tempo de visitar o blog antes, mas vejo que o Wagner já ofereceu boas respostas.

Minha modesta contribuição para o debate é a seguinte analogia utilizada pelo William L. Craig.

Craig compara Deus com um barômetro (o intrumento que mede o tempo)

Supomos que um barômetro preveja que amanhã fará sol e assim acontece, podemos concluir que a previsão determinou o tempo? É evidente que não. Antes, a conclusão é que o tempo, este sim, que determinou a previsão.

Deus é como um barômetro infalível, Ele, por ser presciente, prevê tudo que acontecerá, mas não segue disso que Ele determina o que acontecerá, mas é o que acontecerá que determina como Deus prevê. São nossas livres escolhas que determinam o que Deus previamente sabe e não o que Deus previamente sabe que determina nossas escolhas.

Espero ter sido claro!

Um abraço

Daany disse...

noossa to veendo que o professor tem capacidade *-*
ta liindoo o Blog prossor *-*
Beijo :*

ѕятª disse...

. eu odeio filofia OUAIOEUAIOEUA'

Diêgo Florentino disse...

Olá a todos...
Sou estudante de Direito, mas tenho interesse profundo em Filosofia.
Fui cristão ( evangélico ) durante dois anos de minha vida.Tenho um pouco de conhecimento da bíblia.
A discusão entre liberdade e presciência é interessante e ao mesmo tempo complexo, o que requer conhecimentos biblicos. Como vejo o assunto foi explorado por evangélicos ou "crentes"( Tiago 2:19 ). O argumento do professor é interessante visto que, biblicamente falando, Deus quando criou Adão e Eva, era onisciente, o que de fato mostra-se inexplicável o fato de ele ter arrependido de criar homem, depois da geração de Adão ( gênesis 5 ), não consegui calcular quantos anos após a criação do homem, mas depois de uma lida superficial, conclui que foi muitos anos após.
Como Deus pode arrepender de ter feito o homem se de fato era onisciente ? Não obstante isso, em gênesis 6:7 Deus diz que :"Destruirei o homem que criei de sobre a face da terra, desde o homem até ao animal, até ao réptil, e até à ave dos céus; porque me arrependo de os haver feito."Continuando a leitura de gênesis 6, Noé era justo e perfeito e acha graça nos olhos de Deus, então Deus diz a Noé para construir a arca, porque mandaria o dilúvio. A questão é a seguinte : Deus deu liberdade para Noé, sabendo ele que Deus iria destruir todos os homens da face da Terra ? Deus arrependendo de ter feito o homem, e através do dilúvio o destruiu, deixando somente Noé e sua família vivos, como podemos afirmar que Deus concedeu liberdade ao homem ? Lembrando que de acordo com Hebreus 13:8 : "Jesus Cristo é o mesmo, ontem, e hoje, e eternamente."

Agradeço por ter participado da discussão.

---Line--- disse...

Eu não acredito em destino, e ao procurar o seu significado acabei encontrando essa discussão, e oq eu tenho a falar sobre os comentários, Deus, no modo em q alguns disseram, sabe de tudo oq acontece, acontecerá e oq vai acontecer,e que ele escreveu tudo da forma q acontece, e q uma folha seca não cai da árvore sem que ele permita, bom aos olhos de todos Deus é bom, é pai, é justo e mais amador da paz, já que ele escreve tudo, e permite q as coisas acontessam, Ele escreveria a Guerra, a fome, a doença e tudo oq é de ruim??
Para mim daí já contrariar o significado de Deus!!
Não existe liberdade moderada, ou vc faz tudo oq q vc quer, ou faz tudo oq outra pessoa quer!
ALGUÉM JÁ IMAGINOU QUE AO INVÉZ DE DESTINO TUDO OQ ACONTECE É CONSEQUECIA DE SEUS ATOS??
E qdo se fala e missão aqui na terra, dizem que todos temos, oq me dizem de uma criança que vive apenas 6 meses e morre de alguma doença, qual era sua missão? fazer sua familia chorar??
Dificil de saber, qdo vc nein tem certeza da sua existencia!!

Bento Arcanjo Miguel Sid disse...

Muitas vezes nós percebemos que liberdade é fazer aquilo que nós queremos e como queremos mas liberdade chega a ser o direito de decidir, escolher e opinar!
liberadade é fazer o que quero sem magoar alguém e a mi proprio!

Nós temos a liberdade de escolher onde trabalhar, quantos filhos ter, criticar, elogiar, etc!

Relativamente a Deus e diabo, nós temos a liberdade de escolher com quem ficamos, há apenas duas escolhas e se houvesse uma terceira Deus nos deixaria escolher como já o faz! O problemas não consta em ser castigado por Deus se escolher o diabo mas sim em Deus nos prevenir de sofrer os maltratos pelos diabo caso o escolhamos. geralmente que numa empresa a liberdade está em respeitar os regulamento da emprese e não em fazer na empresa o que em queremos, assim se procede com Deus,ele nos chama para sermos livre! não há liberdade fora das portas de Deus, as pessoas que fazem pacto com demonio pagam pela sua alma mas quem faz pacto com Deus ganha sua alma!

Jeferson Do Nascimento Machado disse...

Interessante a argumentação do professor. E realmente eu concordo, impossivel existir duas coisas ao mesmo tempo que se contradizem. Livre arbitrío e a existência de um destino são controversos. A existência de Deus, como o pressuposto pelo cristianismo, implica na não existência do livre arbitrío.